Clube da Madeira Nobre

Biomassa - Energia do Futuro e já em falta.

Biomassa - Energia do Futuro e já em falta.
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Nos dias de hoje pode-se definir as etapas energéticas da humanidade em três eras: Era Pré-fóssil; Era Fóssil e Eras de Transição (PINTO, 2013). Estas eras como os eventos e fenômenos da natureza não são estanques e com delimitações definidas, mas sim interagem entre si e se mesclam.

A Era Pré-fóssil inicia-se quando o homem dominou o fogo aproximadamente a 350 mil anos atrás (BRISSAUD, 1978), atingindo seu auge no uso de carvão vegetal (ao lado do carvão mineral fóssil) na primeira fase da Revolução Industrial (1750).

A Era Fóssil tem seu começo na segunda fase da Revolução Industrial (1890) e ainda é predominante no século XXI com o uso intensivo e extensivo do petróleo, gás natural e do carvão mineral.

A Era de Transição pode ser definida em várias épocas: a transição entre o fogo aceso por causas naturais (raios solares concentrados por um cristal de quartzo ou relâmpagos) e o fogo ateado por processos artificiais (atrito entre gravetos, faíscas de pedras), depois a Era da Transição entre a energia eminentemente de biomassa (madeira, palha) para a energia fóssil e atualmente a Era da Transição entre a energia fóssil e as energias renováveis.

A atual era de transição teve seu início com a crise do petróleo na década de 1970 e segundo Pinto (2013) a partir da virada do milênio nos anos 2000 ficou evidente a procura e até prioridade por parte das nações em substituir os combustíveis fósseis por fontes renováveis.

Neste panorama a agricultura tem papel de destaque, principalmente quando se pensa em biomassa, pois fato concreto é que o homem nunca deixou de usar a biomassa como fonte de energia, desde as fogueiras do Homo Erectus a 300 mil anos atrás até as modernas usinas contemporâneas de co-geração movidas a bagaço de cana.

Segundo Cortez et al. (2008) as principais fontes de biomassa atuais são: os vegetais não-lenhosos; vegetais lenhosos, resíduos orgânicos e biofluídos. Todas estas fontes direta ou indiretamente provêem das atividades agrícolas. Segundo Rosillo-Calle et al (2008) a biomassa é responsável por um terço da energia consumida nos países em desenvolvimento, variando de 90% em países como Uganda até 10% como no México, passando por 30% de toda a energia consumida pelo Brasil. No entanto a era da transição atual tende a privilegiar esta fonte de energia inclusive em países desenvolvidos tais com a Finlândia e Suécia em que 20% de sua energia provem da Biomassa, além de existirem estudos que pretendem alçar a biomassa como responsável por 30% de toda a demanda de energia da Europa em 2050 (Rosillo-Calle et al, 2008).

Portanto percebe-se claramente a grande oportunidade que se abre para a agricultura brasileira destacadamente avançada e eficiente na produção de biomassas energéticas. Uma oportunidade de ganho não só econômico e ambiental, mas também social, desde que as demandas e inovações tecnológicas levem em conta o aumento de renda não somente do grande produtor, mas do médio e pequeno também.

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Olá, deixe seu comentário para Biomassa - Energia do Futuro e já em falta.

Enviando Comentário Fechar :/